El “buen profesor” desde la mirada del alumnado del Programa de Posgrado en Zootecnia de la FAEM/UFPEL

Beatriz Simões Valente, Carla Gonçalves Rodrigues, Virgínia Tavares Vieira

Resumen


El presente estudio de investigación se estableció con el objetivo de averiguar el concepto de “buen profesor” para los alumnos del Programa de Posgrado en Zootecnia de la Facultad de Agronomía Eliseu Maciel de la Universidad Federal de Pelotas - Brasil. El diseño de la investigación se caracteriza como cualitativa etnográfica. Fueron utilizadas una encuesta y una entrevista para la obtención de los datos. Estos instrumentos fueron direccionados y respondidos por seis estudiantes de doctorado del programa de posgrado. Hemos percibido, a partir del análisis de las convergencias y divergencias en las respuestas obtenidas, que el “buen profesor” es aquél que conoce el contenido teórico y práctico de su específica área, él que elige maneras adecuadas para presentar el contenido, mantiene un relacionamiento afectivo positivo con el alumno, y además, dispone de saberes pedagógicos el cuotidiano en el aula.


Palabras clave


buen profesor, formación docente, identidad institucional

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


ANDRÉ, M. E. D. A. de. (1995). A contribuição da pesquisa etnográfica para a construção do saber didático. In: OLIVEIRA, M. R. N. S. O. (Org.). Didática: ruptura, compromisso e pesquisa. Campinas: Papirus.

BERTRAND, Y. (2001). Teorias contemporâneas da educação. Lisboa: Instituto Piaget.

BONDÍA, J. L. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19:20-28.

CHAMLIAN, H. C. (2003). Docência na universidade: professores inovadores na USP. Cadernos de Pesquisa, 118:41-64.

CUNHA, M. I. da. (2004). Diferentes olhares sobre as práticas pedagógicas no ensino superior: a docência e sua formação. Educação, 54 (3):525-536.

CUNHA, M. I. da. (2005) O professor universitário na transição de paradigmas. 2.ed. Araraquara: Junqueira & Marin..

CUNHA, M. I. da. (2006). Docência na universidade, cultura e avaliação institucional: sabres silenciados em questão. Revista Brasileira de Educação, 11(32):258-271.

CUNHA, M. I. da. (2007). O bom professor e sua prática. São Paulo: Papirus.

FREIRE, P. (1997). Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra.

FOUCAULT, M. (1998). Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes.

GAUTHIER, C. (1998). Ensinar: ofício estável, identidade profissional vacilante. In: Por uma teoria da pedagogia. Ijui: Editora Unijui.

GAUTHIER, J. (1999). O que é ensinar – Entre Deleuze-Guattari e o candomblé, pensando mito, ciência, arte e culturas de resistência. Educação e Sociedade, 69.

LEITE, S. A. da S. (2006). Afetividade e práticas pedagógicas. São Paulo: Casa do psicólogo, pp.15-95.

LUCKESI, C. C. (1984). Equívocos teóricos na prática educacional. Série Estudos e Pesquisas da Associação Nacional de Tecnologia Educacional (ABT) 27..

MEIRIEU, P. (1998). Aprender... sim, mas como? Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

PERDROSO, M. B.; CUNHA, M. I. da. (2008). Vivendo a inovação: as experiências no curso de nutrição. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 12(24):141-152.

PERRENOUD, P. (1993). Práticas pedagógicas – Profissão docente e formação: perspectivas sociológicas. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

PERRENOUD, P. (1999). Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas.

PIMENTA, S.; ANASTASIOU, L. (2002). Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez.

PIMENTEL, V.; MOTA, D. D. C. de F.; KIMURA, M. (2007). Reflexões sobre o preparo para a docência na pós-graduação em enfermagem. Revista Escola de Enfermagem, 40(1):161-164.

PROJETO PEDAGÓGICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Disponível em: http://prg.ufpel.edu.br/proj_pedagogico/. Acessado em: 8 de jul 2010.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DEMANDA SOCIAL. Portaria nº 52/002. Disponível em: http://www.capes.gov.br/sobre-a-capes/legislacao/2340-portarias Acessado em: 8 de jul 2009.

RIBEIRO, M. L.; CUNHA, M. I. da. (2010). Trajetórias da docência universitária em um Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 14:(32):55-68.

REMEDI, A. E. (2004). La instituciíon: um entrecruzamiento de textos. In: REMEDI, A. E. (Coord.) Instituciones educativas: sujetos, historias e identidades. México: Plaza y Valdés, pp.48-59.

ROLDÃO, M. do. C. (2007). Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, 12(34):94-181.

TARDIF, M.; RAYMOND, D. (2000). Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, (73):209-244.

TARDIF, M. (2007). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

VALENTE, B. S.; RODRIGUES, C. G. (2010). Formação Docente: Naturalização na Construção do Conhecimento Profissional. Pelotas: Ed. Universitária UFPEL.

VERAS, Renata da S.; FERREIRA, S. P. A. (2010). A afetividade na relação professor-aluno e suas implicações na aprendizagem, em contexto universitário. Educar em Revista, 38:219-235

VERHINE, R. E.; DANTAS, L. M. V. (2007). Estágio de docência: conciliando o desenvolvimento da tese com a prática em sala de aula. Revista Brasileira da Pós-Graduação, 4(8):171-191.


Enlaces de Referencia

  • Por el momento, no existen enlaces de referencia


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.